Dezoito anos e a adolescência adulta.

Publicado em 19/07/2015


Este artigo ofereço em homenagem ao aniversário de 18 anos de meu filho Davi Taynã, que celebra neste dia 19 de julho de 2015 .

 

Celebrar dezoito anos para um jovem é motivo de muita festa. Aquela sensação de estar chegando a maioridade. Dentro da perspectiva do desenvolvimento emocional, na abordagem da psicanálise a partir de Arminda Aberastury, Maurício Kinobel, e Raquel Soifer, temos a vivência da adolescência adulta. É a entrada do indivíduo na última etapa da adolescência que encerra definitivamente aos 22 anos. Assim, mesmo entrando na maioridade o jovem sabe que ainda não pode ser considerado um adulto.


Mas se perguntarmos a um jovem que esteja celebrando os 18 anos, se ele já se considera um adulto, com certeza dirá que sim. Porém, se perguntarmos à OMS (Organização Mundial de Saúde), dirão que não. Já pensam em fazer a adolescência seguir até os 25 anos. Isto pelo fato das facilidades e ampliação do tempo de estudos que a juventude têm permanecido nas escolas,  decorrente do avanço do sistema educacional, e também pelo fato da melhoria do desempenho econômico das famílias pelo mundo, fazendo com que as famílias protejam os jovens um pouco mais do que no passado, principalmente na busca do mercado de trabalho. Sabemos que jovens que iniciam a carreira profissional mais cedo por necessidades econômicas da família, terão a maturidade acelerada, e ao chegarem aos 18 anos já terão comportamento de adultos. Mas esta não é a realidade do jovem brasileiro que chega a universidade e nunca trabalhou. Alguns estão sujeitos a morte prematuras por falta de maturidade, como foi o episódio do universitário da Unesp de Bauru-SP que faleceu após uma dosagem elevada de bebida destilada em uma festa universitária.


Perguntando ao meu filho que celebra 18 anos se ele estaria preparado para assumir todos os atos e bancar financeiramente sua vida pessoal hoje, ele me responde com todas as letras que não. Perguntei a ele o que achava da questão da maioridade penal para adolescentes com 16 anos, e ele foi enfático dizendo ser contra por perceber que se com 18 anos falta-lhe alguns recursos de maturidade  imagine aos 16 anos.  

Acreditar que aos 18 entra-se na vida adulta  é uma ilusão. Uma forma de forçar a barra para que acreditemos na autonomia dos 18 anos. Mas nesta idade temos apenas um jovem se amadurecendo e caminhando para sua real maturidade a partir dos 22 anos. Devemos confiar neste argumento e monitorar com liberdade o desenvolvimento do jovem para que chegue a vida a adulta sem ter vivenciado coisas de uma idade mais avançada que lhe predisporá a situações na qual de fato ainda não está pronto para enfrentar. O que são 22 anos para quem deseja viver 100 anos. Deixe os 18 passar e a vida adulta ir sendo construída aos poucos para além dos 22 anos.


É sempre bom lembrar que na maioria dos povos judeus, a maioridade chega aos 30 anos, como aconteceu com a pessoa de Jesus Cristo, segundo os Evangelhos , que só partiu para a vida pública após os 33 anos.


Compartilhe:

 




Visitas: 376

Entre em contato