SÃO MATEUS, UM TALENTO REGIONAL.

Publicado em 11/07/2018


A cidade de São Mateus-ES carrega uma vocação inigualável na geografia do estado, aglutina ao seu redor (região) pelo menos 10 cidades capixabas que desembocam muitos serviços no seu território em diferentes setores, além das cidades de outros estados, como Bahia e Minas Gerais. Atrai, desta macro região, pessoas a procura de serviços na área de saúde, educação, jurídica, artesanal, turística, agrícola, mecânica e comércio em geral.

Chequei em São Mateus no ano de 1997, escolhi estabelecer minha clínica em psicologia nesta cidade, por que nessa época a sede da Petrobras do estado era aqui. Havia uma forte demanda pela busca do profissional de psicologia na área clínica para crianças e adultos, o motivo desta ampla busca era pelo grande quantitativo de profissionais da Petrobras provenientes de outras regiões do Brasil com uma cultura educacional que já entendia a importância da psicologia na vida da família. Antes mesmos de definir fixar-se em São Mateus, fiz pesquisa de mercado também em outras cidades do estado, como Colatina, Linhares e Cachoeiro de Itapemirim e foi em São Mateus que detectei maior demanda. Atualmente continuo atendendo pacientes desta macro região além de ter uma boa procura clínica em São Mateus por pacientes que se deslocam de Teixeira de Freitas-BA e até da cidade de Valadares-MG. 

Uma característica de destaque em São Mateus foi a chegada da Universidade Federal, no caso a UFES (Universidade Federal do Espírito Santo), que hoje já conta com 17 cursos de graduação e 4 mestrados. Esta conquista atraiu para São Mateus dezenas de profissionais altamente qualificados e com títulos de pós-doutorado. Pessoas com formação em diferentes países e que vivem com suas famílias por aqui. Ainda estamos na expectativa da Universidade ser autônoma, ou seja, se tornar a Universidade Federal de São Mateus, em que o orçamento pode pular de 4 milhões para 40 milhões/ano. Cidades como Viçosa-MG, Campinas-SP, Ribeirão Preto-SP, conseguiram crescer ao longo dos anos graças as universidades que foram implantadas em seu território. Pela Universidade Federal de São Mateus vamos ver um grande crescimento regional. 

Começamos também a ver a chegada de indústrias de alta tecnologia e de produtos manufaturados, crescendo o leque de possibilidades de emprego para os jovens, ampliando os cursos técnicos pelo IFES e outras escolas particulares. Agora chega o porto de São Mateus, com uma vasta probabilidade de novos serviços e de investimentos em diferentes setores petroquímicos. Logo de saída, uma perspectiva para aproximadamente 7 mil empregos. Um fator que me chamou atenção neste processo de aprovação do futuro porto prestes ao início das obras, é que o capital aplicado não é do Governo Federal. Há projeção de que ao redor do porto seja construído um parque industrial para indústrias que precisam dos derivados do petróleo como, por exemplo, o plástico e a concepção do porto segue uma vertente ecológica no que diz respeito ao uso da água do mar como recurso hídrico interno.

Somado ao amplo leque de expansão, temos os recursos naturais tanto para o turismo, como para a agricultura, além de uma das mais importantes histórias do Brasil. E com esta história, o legado de uma ampla multiplicidade de artista e artesãos. Poucas cidades no Brasil encontram um contingente de artistas de diversas áreas aglutinados em um único município. Só do patrimônio intelectual histórico cultural e artístico, decorrente da questão indígena, afro descendente e da própria colônia, temos um campo vasto de exploração, pesquisa e turismo cultural.

A vocação regional de São Mateus ainda precisa ser percebida pelos próprios moradores desta cidade, famílias que por aqui ficaram e cravaram lares e trabalho. Precisa ser percebida por seus políticos e representantes do executivo e legislativo. Se internamente a cidade de São Mateus não tem esta identidade regional munida  por seus citadinos, muito menos o estado verá e perceberá esta forte vocação.
 
Acrescido à falta de percepção da força desta cidade no cenário capixaba, temos as sucessivas administrações públicas que não deram a devida ênfase nesta potencialidade. Lógico que houve ações e investimentos públicos de políticos específicos. Cada conquista que hoje é realidade no município foi de fato resultado de intervenções da própria população e de seus representantes. Mas parece que cada grupo em cada tempo, prioriza algo específico sem que as conquistas estejam dentro de um plano diretor. Por mais boa vontade que os administradores tiveram, nos últimos 20 anos deixaram de cuidar da beleza urbana da cidade. Neste ponto, não vi nenhum administrador que por aqui passou fazendo este investimento de forma impactante e ampla. 

A força e vocação regional de São Mateus ainda não foi traduzida na estética da cidade, a estética urbana. Quem é de fora e por aqui passa, não consegue visualizar o regionalismo da cidade. Principalmente pela falta de cuidado da urbanidade. Temos praças mal cuidadas, um trânsito desorganizado. Mesmo com ruas e avenidas longas, não temos uma cidade com arquitetura condizente com sua história e projeções futuras. O descuido com entulhos, o próprio lixo espalhado pelo município. O sistema de estacionamento no Centro da cidade e em pontos com maior densidade comercial é caótico, falta local para estacionar. Outro agravante, a cidade não é apresentada para o público de milhares de pessoas que passam diariamente pela BR 101 que corta a cidade. Quem por aqui passa, não vê o que aqui tem. Nossos pontos turísticos estão abandonados e nossa orla está sem atrativos para as pessoas irem fazer uma caminhada, correr ou andar de bicicleta. A última vez que fui correr no calçadão de Guriri deu medo de ver muitos moradores de rua alcoolizados e pouca iluminação ao longo do calçadão. Uma avenida na orla muito mal projetada, sem árvores, sem colorido. O colorido digno de nossa cultura e belezas naturais. Falando em árvores, a cidade não planta árvores de forma sistematizada e dentro de um plano urbano arquitetado.

Assim não basta ter talento, vocação. É preciso fazer favorecer e aparecer este potencial. Por tudo que acima expus, São Mateus merece ser melhor cuidada. A imagem de descuido da cidade é percebida como cartão postal no estado. A fala corrente é: “nossa! São Mateus é uma cidade feia!". Pior, escuto este tipo de comentário em todo estado, pois rodo pelos quatro cantos do Espírito Santo em cursos, palestras e atendo semanalmente em São Mateus, Linhares e Vitória. 

Mesmo residindo em Vitória/ES há dois anos, pois expandi minha clínica psicológica para lá, não deixei São Mateus, porque tenho uma boa demanda de clientes de âmbito regional, como já apontei no início deste texto e porque vejo o quanto as perspectivas estão abertas dentro desta vocação regional em vários campos do desenvolvimento econômico que aqui visualizamos. São Mateus é para o agora e para o amanhã e só vamos ver esta potência ser a menina dos olhos deste estado, se contagiarmos a população de São Mateus para desejar aquilo que ela já potencializa para cada um, ser um lugar próspero, com qualidade de vida e possibilidade de vida longa aos seus moradores. 

No momento, observo que a condução de São Mateus está na contramão do que ela de fato representa. Se em um processo de seleção profissional tiver um sujeito super talentoso e com um currículo brilhante, mas que se apresenta como um maltrapilho, todo sujo, com roupas rasgadas e sem tomar banho, a empresa poderá até contratar o jovem talento, mas vai dar uma repaginada no sujeito. Eu faria isso à frente de uma gestão de pessoas, não desperdiçaria o candidato de potencial, pela sua aparência, o ajudaria a cuidar da sua imagem. Faço esta analogia em relação à São Mateus. Muitos me questionam o porque ainda estou em São Mateus, tendo em vista ter clínica em Linhares e Vitória. Digo que São Mateus me dá um bom retorno financeiro, que aqui tenho grandes amigos, que adoro a praia de Guriri, que sou muito simpatizante com a forma da Igreja Católica atuar na Diocese (região) e pelo potencial acima descrito e história, afirmo que vale a pena dar uma repaginada na apresentação deste enorme talento. Acredito que ainda teremos uma gestão pública que preze pela estética urbana da cidade, pois a essência já é bem substancializada. Acredito tanto no futuro de São Mateus que já estou produzindo dois fortes projetos de capacitação de pessoas para os próximos anos.

A ideia de que a árvore bela é resultado da seiva elaborada decorrente da força interna da árvore, que é a seiva bruta e que se a árvore estiver "minguando", sem beleza estética externa revela que sua seiva bruta está secando ou apodrecendo, não cabe para a analogia com a cidade de São Mateus, pois aqui temos seiva bruta através de sua história, seu povo e suas tradições, sua cultura e seus recursos naturais, minerais e também pela agricultura, temos potencial e projetos de investimentos acontecendo. Se a estética da cidade está um cacareco, com um representativo de abandono, é só uma questão de repaginar esta imagem. Se a população de São Mateus assumir esta ideia, tenho certeza que a cidade ficará com a cara e o jeito real de seu potencial.

Ao longo dos anos observo que o Jornal Tribuna do Cricaré tem mantido a divulgação dos potenciais da cidade e seguido uma linha editorial positiva, de boas expectativas para a cidade. Trás sempre as belezas naturais e a alegria do seu povo. Assim como esta empresa de comunicação priorizou elevar o belo e os potenciais de São Mateus, cada cidadão que aqui reside deve assumir a mesma postura, pois não estarão vendendo uma falsa ideia. Assim, com a projeção positiva de cada um, quem sabe possamos contagiar os gestores públicos de agora e de amanhã a fazerem ações concretas na melhora da imagem urbana da cidade.




Compartilhe:

 




Visitas: 195

Entre em contato