Um sentido para o natal

Publicado em 20/12/2019

Pelas ruas das cidades as pessoas já caminham agitadas. Muitos em busca de um presente para ofertar, outros pensando se irão ganhar algum desses presentes. Luzes, brilhos e símbolos: estrela, menino Jesus, papai noel, embrulho colorido, paz. Enfim é natal! 

Para quem pratica o Cristianismo, neste período comemora-se o   nascimento de Cristo, "Aquele que se fez carne e habitou entre nós" (Jo1,1). Para os que não creem em Cristo, a grande maioria da população mundial, há os presentes, o papai noel ou mesmo uma festa anunciada da chegada do fim de ano. Só sei que o natal é celebrado por todos os cantos do planeta. 

Viver o natal através da prática do amor 

Sempre procuro buscar um sentido para viver o dia do natal, com o objetivo de não ser apenas mais um dia festivo. E por esta busca, nas diferentes expressões humanas de natal, uma que tenha mais significado para mim: O amor. Amar. Querer o bem do outro. 

Para este significado, busco encontrar-me com pessoas. Pois o amor não conjugado não vira ação, não vira amar. Encontrar-se com o desejo de felicitar a felicidade do outro. E assim construir relações e fazer valer a grande vocação humana que é a vocação para o encontrar-se. Encontrar os outros nas suas individualidades e diferenças de gênero, raça, nacionalidade, religião, opções políticas e ideológicas. Pois afinal, somos  partícipes de uma mesma espécie. 
Antes de sentar para escrever esta reflexão, logo pela manhã um senhor com deficiência em uma de suas pernas, vendedor de picolé, com dificuldade empurrava seu carrinho que devia estar ainda cheio de produtos para fazer seu pão no dia; ao cruzar comigo na calçada, estampa um olhar bem alegre e com um belo sorriso no rosto me deseja "Feliz natal". Uma troca de gentileza natural, pois é sim natal.
 
Depois, logo no almoço, meninas empobrecidas de um bairro próximo, com caixas coloridas nas mãos pediam “um bom natal” , e mesmo sem dinheiro naquele momento elas disseram “não tem problema não, feliz natal". Assim é natal. 

Afinal somos todos pertencentes a uma mesma espécie

Especificamente neste natal, quero colocar um sentido com forte sentimento para olhar com generosidade, olhar com alegria, parar para conversar da vida e trocar afetos, com as muitas famílias que estão morando nas ruas de nossas cidades. Na cidade que moro, Vitória-ES, em 2019 quadruplicou o número de moradores de rua, consequentemente o aumento de pessoas pedindo e com isto a tendência mais do que humana de ficarmos incomodados, de se afastar desta realidade, com receio de que o sentimento natalino se ofusque. Para nós que temos minimamente trabalho, casa para morar e comida para comer e até a possibilidade de fazer uma boa ceia de natal, estar diante desta situação causa incômodo, pois delatam o fracasso da nossa forma atual de estarmos sapiens na sociedade. Nossa irritação é pelo processo transferencial. Temos medo de vermos os empobrecidos e excluídos pelas ruas da cidade, pois inconscientemente podemos imaginar que eles, no hoje, podem ser nós no amanhã. 

Mas olhar para todos que encontramos pelas ruas com o olhar natalino, é confraternizar de alguma forma com a dor destes. É desejar com que estejam entre nós, nas nossas mesmas condições. É conjugar o amor. É amor se buscamos caminho para superarmos conjuntamente as crises sócio política/econômicas/ como uma grande irmandade de semelhantes. Afinal somos todos pertencentes a uma mesma espécie.

Com a inquietante paz no coração, sem perder a ternura, com as mãos estendidas para agir de alguma forma a fim de tirarmos nossos irmãos da exclusão social, este é o intuito que adentro neste natal de 2019.

Convido você a fazer parte deste povo desejante pela feliz igualdade e fraternidade entre todos. Vamos fazer neste natal um compromisso de solidariedade aos menos favorecidos e um propósito de olharmos para um futuro em que todos e todas possam beber do leite e degustar do mel da vida e das belezas deste planeta. 

Feliz Natal  !


Compartilhe:

 




Visitas: 209

Entre em contato